quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

RELEMBRANDO o zagueiro ALEXANDRE MINEIRO após 30 anos . EX-ATLETA do ATLÉTICO - MG , FLUMINENSE e ABC FC. A homenagem é do jornalista RUBENS LEMOS FILHO com prefácio do BLOG Música do Gol.

.
.
Parte I
PREFÁCIO


O jornalista Rubens Lemos Filho enviou um belo texto para rememorar o ABC de 30 anos atrás, cuja crônica é digna de aplausos . Rubinho mergulhou no passado e buscou em suas memórias o ex-zagueiro Alexandre Mineiro, líder de um time que o tempo não foi capaz de apagar.
.
O texto traça o perfil técnico e tático de Alexandre, bem como relembra a marca indelével da alta patente de um bravo guerreiro nos gramados. Rubinho ainda era pré-adolescente em 1983, mas sua visão do mundo sempre foi precoce e macro , talvez em razão da irradiação genética do saudoso Rubão, radialista que foi para o Reino dos Céus em 1999.


Sua redação desenha uma justa homenagem ao ex-zagueiro alvinegro, nascido no Rio de Janeiro e criado em Belo Horizonte . Alexandre foi moldado nas divisões de base do Clube Atlético Mineiro,  vindo a integrar aquele timaço de 1981 ao lado de FERAS da magnitude de Reinaldo REI, João Leite, Palhinha, Toninho Cerezo e Éder Aleixo de Assis.
.
Este prefácio tem o condão de afirmar que essa reaproximação (do ABC com o Alexandre), deve-se ao início das pesquisas alusivas ao TRINTENÁRIO do TÍTULO de 1983, bem como em razão da súplica do roupeiro Joca, ávido por receber notícias do seu amigo e parceiro de trabalho nos tempos de outrora.
.
As minhas pesquisas estão - no tempo presente - direcionadas para o ABC de 1983 e regadas de boas informações advindas de vários colaboradores, dentre eles o professor Erandy Montengro ( técnico em tal ano e atualmente dirigindo as divisões de base do alvinegro de Natal ). É realmente impossível falar do ABC sem mencionar o zagueiro carioca que chegou aqui exalando um sotaque das Minas Gerais. 



Sou amigo de infância dos filhos do professor Erandy e o ALVINEGRO de 1983 faz parte do MUNDO MÁGICO de meu tempo de criança. Nesta época aprendi a escalar o ABC e o grandioso futebol de Alexandre Mineiro está no meu baú de recordações.  
.
Por fim, deixo vocês com a pintura de texto do amigo Rubinho, na época, apenas um garoto de 13 anos que admirava o zagueiro Alexandre Mineiro e acalentava o sonho de ser jogador de futebol . Hoje - 30 anos depois - Rubens Lemos Filho é um jornalista consolidado na arte de relembrar as emoções vividas e um escritor fidedigno ao traduzir a BELLE ÉPOQUE que promete repassar aos seus netos. 

FIM DO PREFÁCIO e confesso que escrevi bem mais do que pretendia , fruto das boas lembranças que bateram a minha porta neste momento . 

Segue o texto (abaixo) em homenagem ao Alexandre, um dos ídolos da minha geração e que até hoje nos faz relembrar a MELODIA do FUTEBOL , cujas notas musicais foram tocadas por vários nomes... ATLETAS QUE SÃO ETERNOS em cada livro de nossas vidas ! 




PARTE II
Alexandre Mineiro, o zagueiro.
Por Rubens Lemos Filho


    A perpetuação do fugaz aproxima o cinema do futebol. Há filmes inesquecíveis e partidas memoráveis pelo clímax da cena e o brilho do personagem. É Robert de Niro, furioso, colérico, Al Capone desnudado pelo sorriso de relance do Eliot Ness impassível e vitorioso incorporado por  Kevin Costner em Os Intocáveis. É Al Pacino atirando em De Niro no final angustiante de Fogo Contra Fogo.


   É Clodoaldo driblando italianos em cintura de bambolê até o quarto gol do Brasil no passe medido de Pelé ao  chute estrondoso de Carlos Alberto Torres fechando a epopeia do tricampeonato mundial no México. É Garrincha nos três minutos demolidores contra os soviéticos em 1958, driblando e redriblando. É Maradona partindo do meio-campo e demolindo até a frota do Lorde Nelson no segundo gol contra a Inglaterra na Copa de 1986.

    Ninguém esquece. Um bom filme é clássico como de estatueta,  é uma peleja eletrizante. O artista da bola é o melhor ator, o protagonista. A bola é a película cortejada dentro e fora do estúdio. Filmes duram em média 120 minutos, meia hora a mais que uma partida e conseguem, quando bem feitos, permanecer na memória por vidas inteiras. E reprises, também.

  


    Há quem faça cara feia aos  jogadores que passam pouco tempo em clubes e são considerados eternos. Alguns bairristas torcem o nariz para o melhor quarto-zagueiro da história do ABC, Alexandre Mineiro, que meus olhos tiveram o privilégio de contemplar na relva arrancada do saudoso Castelão. Competência não tem certidão de nascimento.



  Alexandre Mineiro disputou um campeonato estadual e jogou por centenas que passaram décadas usando a camisa do clube sem um milímetro de sua grandeza imperial. Somente dois homens foram capazes de colocá-lo na reserva em toda carreira, o que poderia encerrar o assunto logo aqui, neste parágrafo. O primeiro foi Luizinho, do Atlético Mineiro, onde Alexandre foi revelado. Luizinho, titular da reverenciada seleção brasileira sinfônica e trágica de 1982.

    O segundo e último foi Edinho, no Fluminense. Edinho foi o quarto-zagueiro e um dos melhores jogadores do Brasil na Copa do Mundo de 1986, no México, perdendo apenas para o  desempenho exuberante de Careca, o atacante que os fãs de Ronaldo Fenômeno deveriam conhecer em vídeos antigos antes de querer compará-lo a Romário. Pela ordem, Ronaldo está em quinto lugar entre os atacantes, atrás de Romário, Tostão, Reinaldo e Careca.

    Alexandre Mineiro só perdeu para Luizinho e Edinho e foi tão bom que, no Fluminense no interminável  1982, manteve-se titular jogando de lateral-esquerdo no time que chegou às quartas-de-final do Campeonato Brasileiro, eliminado pelo Grêmio de Leão, De Leon e  Paulo Isidoro , vice-campeão perdendo para o Flamengo de Zico.



    O ABC de 30 anos atrás foi o último ABC acima de todas as médias convencionais. Um timaço. Comparável ou até melhor que o de 1973,  apontado como o maior da história.


   Marcou 114 gols num campeonato, recorde até hoje. Sua dupla de ataque, Marinho Apolônio e Silva, parecia um só corpo negro e bailarino de tão hábil e feiticeiro. Habilidoso, driblador e tecelão nas tabelinhas que enlouqueciam a torcida. Abastecidos pelo cérebro glacial interpretado pela canhota sertaneja do meia-armador  Dedé de Dora, sucessor do uruguaio Danilo Menezes, do time de 73.

    O time abusava na agressividade. Ganhava os choques contra América e Alecrim por três, quatro e até cinco gols de diferença. A defesa falhava em seu miolo, bem cimentado no tijolo do eficiente central Joel. Faltava o líder, o homem que assumisse o comando referencial das batalhas.

    Alexandre Mineiro chegou como o General Patton, rebelde e magistral estrategista e comandante de campo na Segunda Guerra Mundial, para quem “a morte em combate  traduzia a fraqueza de um canalha sem forças para lutar”. Patton era tão radical que mandava os médicos de campanha usarem capacete com estetoscópio. Virou filme, com George L. Scott ganhando prêmio de melhor ator e – sarcástico como Patton – faltando ‘a cerimônia de entrega.
.

   Com Alexandre Mineiro em campo, o ABC ganhou, de fato, a figura que os medíocres treinadores brasileiros queriam impor à base de teorias consistentes como batatas fritas. A figura do líbero prático sem status.

   Alexandre Mineiro jogava um pouco à frente da defesa, próximo ao volante Nicácio e costumava brindar o centroavante Silva com lançamentos longos de sua área até o ataque. Ganhava dos atacantes na elegância e na antecipação. Seu desarme guardava a sutileza de um chanceler e a saída de bola se assemelhava a abertura de uma regência ao ar livre.

   Foi sim, o definitivo quarto zagueiro do ABC. Sem diminuir ninguém. Aumentativo foi seu futebol. Justamente eleito, formando com Edson Capitão, dupla de sonho cinematográfico, dois lordes. Edson, eu não pude contemplar. O futebol e a figura governamental em campo de Alexandre Mineiro serão temas de conversas deliciosas com o último projeto indispensável de minha vida: um neto homem para conversar sobre futebol.  


.
.
TEXTO de autoria do jornalista Rubens Lemos Filho.
.
Prefácio de Leonardo Guerra Maranhão ( editor do BLOG Música do Gol ). 

PARTE FINAL
Veja algumas fotos para encerrar esta postagem. 

É hora de você viajar pelas imagens do passado...

.

.


O professor Erandy Montenegro pediu ao Presidente do ABC a contratação do Alexandre Mineiro. A ligação telefônica rendeu bons frutos ! O ABC FC foi campeão e até hoje a TORCIDA DO ALVINEGRO POTIGUAR recorda seus guerreiros da conquista de 1983.

.
  
.
.

. . .














Nas duas fotos temos o grande Rubinho e o saudoso Rubão - mestre e amigo - operando a sua velha máquina de  datilografar .






Na foto (acima ) o mestre Joca no vestiário do ESTÁDIO FRASQUEIRÃO.

.............................................. AGRADECIMENTOS do BLOG : 
.
a) Além de Rubinho e Rubão, o nosso agradecimento vai também para o professor Erandy Montenegro e o roupeiro Joca, quatro nomes valorosos e ETERNOS NA HISTÓRIA DO TIME MAIS QUERIDO do Rio Grande do Norte.
.

b) Nos despedimos com a certeza de que o ABC Futebol Clube, mesmo não sendo dotado de poderio financeiro, seja sempre GRANDIOSO pela PAIXÃO DO SEU TORCEDOR !
.

c) Peço a Deus que o ABC nunca esqueça seus guerreiros e as emoções do passado ! Tenha FORÇA e OBSTINAÇÃO no tempo presente e siga com os olhos voltados para o nosso FUTURO. 


Cordialmente,

Leonardo Guerra Maranhão
EDITOR 
DO BLOG MÚSICA DO GOL 

.
FOTO (acima) de Alex Costa / Estádio Frasqueirão em 2008.
.
Leia abaixo a matéria da 
REVISTA PLACAR em 1983 .

OBSERVAÇÃO 1 = Clique em cima da página ( da revista ) que aumentará de tamanho e assim permitirá a sua leitura.
.
OBSERVAÇÃO 2 = Observe que ALEXANDRE é o camisa n°4  ( lado direito da foto ).
.

.


.
.

Um comentário:

  1. Gostaria de saber o nome completo do Alexandre Mineiro e periodo que atuou pelo ABC.

    ResponderExcluir